Os 09 erros na trama da novela “Avenida Brasil”

João Emanuel Carneiro montou uma história eletrizante em “Avenida Brasil”. As maldades de Carminha (Adriana Esteves) e a sede de vingança de sua ex-enteada Rita/Nina (Débora Falabella) conquistaram o País.
A partir do momento em que Nina conseguiu as provas que queria para acabar com a farsa da megera, Nina passou a cometer furos imperdoáveis.
Além de revelar as fotos de Carminha e Max (Marcelo Novaes) na cama, Nina – que fez amizade com a irmã de Tufão (Murilo Benício) pela internet – teria ao menos criado um álbum secreto no Facebook com as imagens.
O fato de a cozinheira ter “esquecido” de usar a tecnologia disponível para grande parte da população decepcionou o público, que começou a criticar a personagem e ironizar sua ingenuidade nas redes sociais.
Para esses ocorridos terem sido críveis, como tudo que foi apresentado pelo autor, a história deveria se passar na década de 90. Sabendo que a repercussão da trama é muito maior na web, os furos são imperdoáveis. Confira abaixo os mais recentes erros da Turma do Divino…
09- A grande polêmica é o fato de Nina não ter nenhuma cópia digital das fotos de Max e Carminha. A cozinheira mostrou ser uma pessoa totalmente integrada com as ferramentas virtuais ao seguir os passos da ex-madrasta pela internet durante anos e fazer amizade com a cunhada da loira em uma rede social. Logo, é imperdoável o fato de ela não ter guardado as imagens em seu email, ou em um pen drive
08- Nina gastou muito dinheiro com Max e Nilo (José de Abreu) enquanto maltratava Carminha. Ou seja, teve tempo e grana suficientes para pegar um cabelo da loira e de Jorginho, mandar fazer um DNA, e guardar no cofre o resultado do exame
07- Falando em dinheiro, ninguém saca R$ 1 milhão, coloca na bolsa e sai andado a pé pelo centro da cidade. Esperta, Nina deveria ter pensado em uma outra forma de pegar esse dinheiro. Transferir para a conta de Jorginho e pedir para o filho repassar a bolada para Tufão seria a melhor solução
06- Nina fez questão de se certificar de que não havia esquecido o cartão de memória da máquina na loja onde colocou as fotos para revelar. A cozinheira jamais deletaria as imagens conhecendo bem seus inimigos. Ou seja, onde foi parar esse cartão?
05- Caso tivesse perdido ou apagado as fotos do cartão, Nina poderia voltar na própria loja onde revelou as imagens para fazer novas cópias. É bem provável que ainda exista alguma coisa por lá. Afinal, Tufão é o maior ídolo esportivo do País. Logo, Carminha é conhecida por grande parte da população. Principalmente a do Divino

04- Outra situação pouco crível é o fato de Begônia (Carol Abras) não ter tido a menor curiosidade de abrir o envelope para olhar o conteúdo das fotos. Sim, porque a argentina não faz o tipo de quem não mexe no envelope alheio. Caso tivesse dado uma olhadinha, ela teria reconhecido Max e não teria caído na lábia do rapaz
03- Fofoqueira como ela só, é de se espantar que até hoje Zezé (Cacau Protásio) não tenha percebido a presença de um outro homem no quarto da casa de campo de Carminha. Uma coisa é se agarrar sem ninguém perceber pelos cantos da mansão, outra totalmente diferente é ficarem juntos naquela minúscula propriedade
02- Max pode ser uma besta quadrada, mas tem bagagem no quesito bandidagem e conhece Carminha melhor que ninguém. Mesmo assim, ele escondeu o dinheiro que roubou de Nina no seu barco. Mais óbvio, impossível!
01- Outro absurdo é o fato de Carminha conseguir abrir o local onde o amante trancou a herança da cozinheira com apenas uma chave de fenda. Será que Max é tão burro assim quando o assunto é dinheiro?

Deixe seu Comentario!

    Atualmente Temos 1 comentário Quero comentar!
  1. josue macedo cordeiro disse:

      outro erro absurdo que ocorreu esta semana (trocaram a mala de nina no aeroporto) ela não percebeu,mas e as cameras de segurança do aeróporto, ninguem pediu para ver.
      todos sabem que um aeroporto internacional é cheio de cameras.
      mais uma vez a globo quer fazer o povo de bobo (ja nã basta o big boga) kkkkkkkkkkkkkkkkk

Email (Não será publicado) (Obrigatório)